ESTUDOS

TEMPO DE RECOMPENSA DOS SANTOS



TEMPO DE RECOMPENSA DOS SANTOS


LEITURA RESPONSIVA: Lucas 19:11-27


VERSO ÁUREO: “E iraram-se as nações, e veio a tua ira, e o tempo dos mortos, para que sejam julgados, e o tempo de dares galardão aos profetas, teus servos, e aos santos, e aos que tem o teu nome, a pequenos e grandes, e o tempo de destruíres os que destroem a terra.” (Apoc. 11:18)


INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

Nossa esperança tem que estar fundamentada em algo realmente sólido, assim como o fundamento da Igreja. Nossa casa tem que estar edificada na rocha, que é a Palavra de Deus, caso contrário sucumbiremos no dia final e não haverá organização religiosa que nos garanta. Para onde vamos? Que nos sucederá logo após a morte? Muitos dirão que há um lugar intermediário aonde os santos ficam: o Seio de Abraão, por exemplo, baseando-se na parábola do rico e Lázaro. Outros já acham que o cristão logo após a morte segue imediatamente para o Céu. Qual é a verdade?

RECAPITULAÇÃO

Morada nos céus não vem dos profetas nem dos apóstolos ............................ João 13:36
Chegada o tempo, as nações entregarão o poder a Cristo ............................. Apoc. 11:15
Jesus vai se assentar no trono de Davi, em Jerusalém ................... Mat. 25:31; Atos 2:30
A Pedra que feriu a estátua fica e enche toda a Terra ................................ Daniel 7:35,44

QUESTIONÁRIO

1. Que ensina as Escrituras sobre o estado do homem após a morte? Continua vivendo num mundo espiritual paralelo ao nosso?

Após a morte do homem dormem um sono profundo. Não há consciência e nada, absolutamente nada, sabe do que se passa (I Tess. 4:13; I Cor. 15:18-20; Ecl. 9:5,9,10; Salmos 6:5; 17:15; 115:17; 146:4). O melhor testemunho disto nos deu Jesus ao confirmar que Lázaro estava dormindo (João 11:11-14). Somente acordará por ocasião da ressureição (João 5:28,29; 6:39-44,54).

2. Onde permanecem os mortos? Quantas ressurreição estão previstas?

Os mortos dormem no pó da terra e até a ressurreição do último dia (Dan. 12:2; Jó 17:13; Salmo 115:17; Ecl. 3:19,20; Isaías 26:19). Estão previstas duas ressurreições: a primeira, para os santos, na vinda de Messias e a segunda no fim do Milênio, quando os ímpios ressuscitam para o juízo final (Apoc. 20:4-6,11,13).A

3. Estariam já os heróis da fé desfrutando das promessas divinas? Que se passa com elas atualmente? Existe um tempo determinado para a entrega do galardão aos santos?

Já temos visto que todos os mortos dormem no pó da terra, logo ninguém, mesmo os heróis da fé, pode estar desfrutando das promessas divinas. Jesus afirmou que os justos ressuscitarão no último dia (João 5:28,29; 6:39-44, 54; Ver I Cor. 15:22,23). Deus tem em memória o testemunho dos santos e todos receberão, na ressurreição, a promessa, a vida eterna (Luc. 14:14). Não é verdade que os 144 mil ou outros santos já estejam com Cristo reinando. Ninguém recebe adiantado (Heb. 11:13, 39, 40; Mat. 19:27-29; Apoc. 11:18; 22:12). Neste tempo, ocorrerá, além da primeira ressurreição, a dos santos, o ajuntamento de tropas no Armagedom e a guerra no Vale do Josafá com efeito sobre todo o planeta, o arrebatamento para juntar os escolhidos nos ares ao encontro com o Messias, a descida sobre o Monte das Oliveiras, e conversão de Israel e a implantação do Reino Milenar na Terra, com Cristo no trono de Davi.

4. E o seio de Abraão de que fala a parábola de Lucas 16:19-31? Não é um lugar onde os salvos ficam até a vinda de Cristo?

Primeiramente é bom sabermos o que é uma parábola. É uma forma de ilustração comparativa que visa esclarecer uma verdade qualquer. Nem sempre usa de uma história verídica, nem tenta contar algo que deva ser aceito como uma história real e sim um tipo de narrativa que nem sempre ocorreu realmente. (Ver Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia, Vol. 5, pág. 57)
A parábola do rico e Lázaro, na verdade ilustra a situação dos judeus, ricos espiritualmente por possuírem os oráculos divinos (Rom. 3:1; 9:4,5), mas duros de coração e dos gentios, pobres, estranhos aos concertos da promessa e sempre na dependência das migalhas (Efés. 2:11,12,19; Mat. 8:8-12; 15:21-28; Atos 10:28), todavia sensíveis na aceitação do Messias e Sua Causa. Na verdade, os que buscam entender literalmente a parábola o fazem para defender a imortalidade da alma, dogma de origem pagã, introduzido na religião cristã aposentada. Analise e nos diga quantas graves condições surgirão se você tentar literalizar a parábola.

5. E quantos a Enoque, Elias e Moisés? Não tiveram estes um tratamento diferenciado?

Segundo as Escrituras, todos os homens devem morrer (Heb. 9:27). Enoque bem como todos os demais santos morreram (Heb. 11:13, 32-34; Judas 9). Elias cerca de 10 anos depois do arrebatamento enviou uma carta a Jeorão (II Crôn. 21:12), rei de Judá: onde estava Elias? No Céu? (Conheça o estudo: Onde estão Enoque e Elias).

6. Se outros homens de Deus já desfrutaram da salvação, como entender a passagem que diz ser Jesus “Primícias entre os mortos”? 

Houve ressurreição de mortos antes e depois da ressurreição de Cristo, todavia Jesus foi o único que reviveu para a vida eterna. Os demais, todos morreram de novo (I Reis 17:22-24; II Reis 4:34,35; 13:20-21; Mat. 9:25; Luc. 7:12-15; João 11:43,44; Mat 27:52,53; Heb. 11:35; Atos 9:40). Por isso Jesus é considerado primícias dos que dormem, ou seja, o primeiro ressurreto que vive eternamente. Isto descarta a possibilidade de haver outros já ressurreto para a vida eterna, pois Paulo diz que os que são de Cristo, reviverão na Sua vinda (Atos 26:23; I Cor. 15:20-23; Fil. 3:20-21).