ESTUDOS

A LEI, O PECADO E A GRAÇA



A LEI, O PECADO E A GRAÇA


LEITURA RESPONSIVA: Êxodo 20:3-17


VERSO ÁUREO: “Anulamos a lei pela fé? De maneira nenhuma, antes estabelecemos a lei.” (Rom. 3:31)


OBJETIVO DA LIÇÃO


Provar pelas Escrituras que estas três coisas estão relacionadas entre si e que uma depende da outra. Sem a Lei, o pecado está morto e inexistente e não o pecado a Graça se torna desnecessária. A passagem da mulher adúltera é uma das melhores ilustrações do assunto.

INTRODUÇÃO

Os Dez Mandamentos, escritos em duas tábuas de pedras, no Antigo Pacto e nos nossos corações, na Nova Aliança são considerados mandamentos morais. Em paralelo, Moisés escreveu num livro outras tantas leis e mandamentos, entre as quais, haviam leis penais, que puniam os transgressores do Decálogo divino, inclusive com a morte. Temendo as consequências da transgressão, os israelitas cumpriram os ritos da expiação do pecado, derramando sangue e oferecendo a vida de animais inocentes em sacrifício por seus pecados. Esta providência era regulamentada por lei e, na sombra, forçava-os a ir a Cristo. Jesus, o Cordeiro de Deus, por Sua graça, ratificou o velho concerto, morrendo e resgatando a todos os homens, por meio de Seu sangue.

ESTUDO SEMANAL

1º dia: I João 3:4; Rom 3:20; 7:7
Seg.: Rom. 5:13; Cor. 15:56
Ter.: Rom. 3:31
Qua.: Deut. 5;22; Êxodo 31:18
Qui.: II Cor. 3:3; Jer. 31:33; Heb. 8:10
Sex.: Deut. 5:7-21

QUESTIONÁRIO

1. Que é o pecado, segundo as Escrituras?

Segundo as Escrituras o pecado:
É a transgressão da lei ............................ I João 3:4
Se conhece, pela lei ........................ Rom. 3:20; 7:7
Não é imputado, sem a lei ..................... Rom. 4:15
Não é imputado, sem a lei ..................... Rom. 5:13
Está morto, sem a lei ............ Rom. 7:8; Cor. 15:56

2. Que aconteceria se a lei de Deus tivesse sido abolida?

•   O pecado não mais existiria, a partir do fim da vigência da Lei.
•  Jesus teria morrido em vão, pois se não há pecado não seria necessária Sua morte.
•  Não haveria necessidade da Graça, pois não existiria pecador.
Desnecessário seria se pregar o Evangelho e não há de que se arrepender.

3. Por que Paulo considerou a Lei de Deus como Ministério de morte?

No Decálogo não existe nenhum mandamento que manda matar; pelo contrário, há um que proíbe. O fato é que uma outra lei, do livro, punia com morte os transgressores da Lei de Deus:

Ter outros deuses ................... Deut. 13:6,9
Idolatria ................................... Deut. 17:3,5
Desrespeito ao nome de Deus ... Lev. 24:16
Transgressão do Sábado ..... Núm. 15:32,36
Filhos desobedientes .......... Deut. 21:18-21
Assassinato ................................. Lev. 24:17
Adultério ............................. Deut. 22:23,24
Falso testemunho ............... Deut. 19:18,19

Em Cristo, o pecador não sofre a morte de imediato e tem a chance de se arrepender e ser salvo. Isto é a Graça! Todavia não deve seguir pecando, ou seja, transgredindo. No N.T., a mesma Lei de Deus está em vigor e não é ministério de morte, pois ninguém é punido pelos homens com a morte, pelo pecado praticado.

4. Que passagem exemplifica bem a Lei, o pecado e a Graça?

João 8:1-10. A mulher adulterou, pecou, transgrediu a Lei de Deus. A outra lei mandava que fosse morta apedrejada. Veio Jesus, a Graça salvadora, a misericórdia e fez que todos se sentissem tão culpados quanto ela, pois também eram humanos falhos. Jesus não condenou à morte e lhe deu uma chance para mudar de vida e lhe recomendou: “Vai-te e não peques mais”, isto é, não voltes a adultera; não voltes a transgredir o Decálogo!

5. Existem distinção entre a Lei de Deus e as outras leis?

Sim. A Lei de Deus foi escrita pelo próprio Deus em duas tábuas de pedra e dura eternamente. Nada lhe foi acrescentada além das Dez Palavras (Deut. 5:22; Êxodo 31:18). Foi colocada dentro da Arca do concerto e hoje está escrita nas tábuas no nosso coração (Deut. 10:2; II Cor. 3:3; Jer. 31:33; Heb. 8:10). As outras leis, conhecidas como cerimoniais eram transitórias (embora nem todas); foram escritas por Moisés num livro, acrescentadas por causa da transgressão do Decálogo e colocadas ao lado da arca (Deut. 31:24-26; Gál 3:19). Muitas cessaram na cruz (Efés. 2:15; Col. 2:14).

6. É possível que a Graça anule a Lei?

A Lei de Deus existe para identificar o pecado para revelar seus transgressores. A nossa fé não anula a Lei, antes a confirma. Só posso dizer que alguém está falhando, é transgressor ou pecador, se houver alguma lei sendo quebrantada. Como nós cremos que existe o pecado e pecadores, automaticamente confirmamos a vigência da Lei de Deus (Rom. 3:31). Sem o pecado, para que a Graça?

7. Por que muitos condenam a Lei de Deus e se aferram ao dízimo?

É óbvio que o dízimo é a lei e da lei de Moisés. Malaquias é constantemente citado nos púlpitos. Ninguém pode ser contra seus próprios interesses! Está no A.T., é a lei de Moisés. E daí? Fica claro que o problema de muitos serem contra a Lei de Deus se resume numa coisa. No quarto mandamento! Se não houver ordem para santificar o Sábado no Decálogo, todos estariam defendendo a Lei de Deus. Este é o espinho!

TESTANDO APRENDIZADO

COLOQUE CERTO OU ERRADO:

Sem lei não há pecado. (    )
Pregamos o Evangelho porque há Lei e homens pecadores. (    )
Lei moral e cerimonial são a mesma coisa; não estão separadas. (    )
Fé e Graça anulam a Lei. (    )
O dízimo não é da Lei. (    )
O problema não é a Lei: é o Sábado (    )