ESTUDOS

UMA SÓ ORGANIZAÇÃO DE DEUS NA TERRA



UMA SÓ ORGANIZAÇÃO DE DEUS NA TERRA


LEITURA RESPONSIVA: I Coríntios 12:12-31


VERSO ÁUREO: “Sessenta são as rainhas, e oitenta as concubinas, e as virgens sem número. Mas uma é a minha pomba, minha imaculada...” (Cantares 6:8,9)

INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

Este assunto é de vital importância. Se Deus tem mais que uma representação é mais séria do que se pode imaginar. Isto, sem contar ainda o risco que se corre, ao se ligar às atuais religiões que, quase que genericamente, são de uma outra forma ligadas à religião romana. Para se livrar destes problemas, só temos um caminho: buscar a Deus em oração com sinceridade e temor e examinar bem movimentos religiosos à luz das Sagradas Escrituras.

QUESTIONÁRIO

1. É necessário estarmos ligados a uma organização religiosa, para figurar entre os salvos e recebemos o galardão do povo santo?

Sim, a Bíblia assim o diz. A palavra ensina que “Deus acrescentava à Igreja, todos os que haviam de se salvar”. (Atos 2:47). Jesus frisou a importância de estarmos ligados nEle, na videira, e de darmos os frutos de um cristão (João 15:1-7). Se alguém está separado da Igreja, não está sob coordenação e, como um ramo cortado, secará (Rom. 8:1).

2. Que provas temos de que aqueles que Deus queira salvar, os integrava na Igreja? Qual era e é o processo de admissão?

Deus colocou Filipe em contato com o eunuco (Atos 8:29, 35-38); Cornélio, o primeiro gentio, teve que chamar Pedro para ouvir palavras, “por meio das quais seria salvo” (Atos 11:13,14; 10:48); Saulo teve que procurar Ananias (Atos 22:10-16). Para serem admitidos, tiveram que ser batizados para remissão de pecados e por estas porta todos tiveram que entrar. Cerca de três mil, assim ingressaram na Igreja, no dia de Pentecoste (Atos 2;37-41). Não existe meio de se ligar a Cristo e a Igreja, senão pelo batismo. Batismo fora da Igreja verdadeira não liga a pessoa à Igreja de Deus.

3. Que relação tem a Igreja com Israel? Que representa a atual nação israelita?

A Igreja tem tudo a ver com o povo de Israel. Em Apoc. 12, aparece como “a mulher vestida de sol, tendo a lua debaixo dos pés e uma coroa de doze estrelas sobre a sua cabeça”.
O texto se refere primeiramente a Israel e a seguir, à Igreja. Os gentios, participantes da Igreja, era zambujeiros que, contrários à natureza, foram enxertados na boa oliveira (Rom. 11:17,24). Deus não queria dois povos ou duas Igrejas. Israel falhou como nação sacerdotal e rejeitou a Pedra Angular, Cristo – o Messias, assumindo a responsabilidade pela Sua morte (Mat. 27:25). Hoje, a Igreja é a real Comunidade de Israel e a salvação está aberta aos gentios, até que seu tempo se complete (Rom 11:25). Findo o tempo dos gentios, com a vinda de Jesus, então o remanescente da atual nação de Israel, será salvo, se convertendo e reconhecendo o Messias.

4. Como via Deus a separação de Seu próprio povo no passado? Qual é a previsão para esta situação no futuro?

Pela desobediência, na execução de Amalaque, Deus rasgou-lhe o Reino, que foi posteriormente unido por Davi (I Sam. 15:28; 28:17,18; I Crôn. 11:1-3). Davi prefigurou Cristo que, no Reino Milenar Messiânico, unirá para sempre o povo de Deus (Ezeq. 34:23,24; 37:15-25).

5. Havendo inimizade entre judeus e gentios, quais foram os planos do Senhor na organização da Igreja? Formou uma Igreja só de gentios?

Deus, ao levantar o Tabernáculo de Davi, que estava caído, pretendia trazer numa só organização (a Igreja), todos os gentios que O quisessem servir, unido ambos, judeus e gentios em um só Corpo. Deus não formou dois ou mais organismos, mas uma só Igreja. O culto, as promessas e tudo o que era exclusivo dos judeus, foi igualmente estendido aos gentios, convertidos ao Senhor.

6. Como os apóstolos viam pensamentos diferentes, dissensões e divisões na Igreja? Aconselharam a formação de grupos independentes?

Nem mesmo pensamentos diferentes admitiam-se na Igreja e eram considerados carnais os que agiam contra a unidade desta (I Cor. 1:10-13; 3:1-4; Rom. 16:17).

7. Em alguns momentos, Deus preparou e estabeleceu obreiros foda da Igreja? Como surgiram novos movimentos?

João foi o último profeta (Luc. 16:16) e sacerdote do velho pacto foi enviado por Deus como precursor do Messias, servindo de ponte entre os dois concertos. Com tal autoridade, batizou os novos crentes, anunciando-lhe Jesus. Jesus, por sua vez, estabeleceu, ordenando os apóstolos (Luc. 6:12,13). O sistema de ordenação ministerial nunca saiu de dentro da Igreja. Paulo ordenou que Tito fosse estabelecendo presbíteros em cada Igreja que se formava (Tt. 1:5). Deus nunca estabeleceu ministério fora da Sua única Igreja (I Cor. 12:28). As primeiras rupturas na unidade e linhagem de sagração ministerial da Igreja, só vieram como o surgimento e estabilidade da apostasia (Atos 20:29,30). Com batismo e sagração ministerial da Babilônia, implantaram o protestantismo, que se fragmentou nas inúmeras denominações hoje existentes. A Igreja fundou, existe; ensina a unidade, subsistiu à perseguição e refuta os erros de Roma, anunciando o legítimo Evangelho do Reino.