ESTUDOS

QUEM SERÁ LEVADO E QUEM DEIXADO?



QUEM SERÁ LEVADO E QUEM DEIXADO?


LEITURA RESPONSIVA: Mateus 24:36-44


VERSO ÁUREO: “Ele, porém, respondendo, disse: Toda a planta que meu Pai celestial não plantou, será arrancada.” (Mat. 15:13).


INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

Com a febre do rapto secreto implantada a partir do início do século 19, a ideia de um estágio no Céu assumiu grandes proporções. Quem vai querer ficar aqui nesta terra? É uma das muitas perguntas, cuja resposta é sempre negativa. Ninguém está interessada em ficar na Terra. De onde, no entanto, surgiu a doutrina de que o homem que servir a Deus vai para o Céu? É, quando Jesus vier, um será levado e outro deixado: quem é quem nesta história?

QUESTIONÁRIO

1. Tinham os discípulos de Jesus a fé de uma morada no Céu?

Os judeus em geral esperavam a vinda do Messias que os livrasse de seus inimigos e assumisse o trono em Jerusalém (Lucas 19:11,12; 24:21; 1:69-71; João 6:15 Atos 1:6-8). Em nenhum momento pensavam em um reino no Céu.

2. Ao manifestar aos judeus incrédulos sua ida para um lugar onde não poderiam segui-lo, a que conclusão chegaram?

Isto os intrigou e perguntaram entre si: “Para onde irá este, que o não acharemos? Irá porventura para os dispersos entre os gregos?” Ver João 7:33-36. Numa outra abordagem Jesus lhes repetiu o assunto (João 8:21-23) e desta vez pensaram que Ele queria se matar. Jesus lhes disse: “Vós sois de baixo...”

3. Aos judeus incrédulos lhes era impossível seguir a Jesus ao Céu. Será que a situação com os apóstolos era diferente?

Igualmente, os discípulos desconheciam a possibilidade de uma ida ao Céu e quando Jesus lhes repetiu a mesma palavra, ou seja, que não podiam segui-lo, ficaram imaginando coisas. Pedro intrigado indaga: “Senhor, para aonde vais?”. Eles não faziam a menor ideia; não criam numa ida aos Céus! (João 13:33-38). A tristeza que abateu aos discípulos, portanto, não era por não poderem ir ao Céu, mas por terem que separar da companhia de Jesus. Pedro estava disposto até morrer por isto!

4. Para confortar Seus servos e conscientizá-los de que a separação era uma condição necessária e provisória, que lhes prometeu o Mestre?

Preparar-lhes lugar e depois voltar para estar com eles. Durante este período, seriam confortados pela presença do Espírito Santo e se ocupariam em testemunhar do Evangelho do Reino para todas as nações, até a implantação do Reino (João 14:3, 16-18; At. 1:6-8). A cidade celestial virá para cá, depois do Milênio e da Restauração da Terra (Ap. 21:1-4).

5. Tem sido dito aos crentes que muitos ficarão aqui na vinda de Jesus e que isto não é bom. Que passagens são usadas pra se provar isto?

Mateus 24:40,41 e Lucas 17:34-36. Os textos falam que, nesta ocasião, uns serão levados e outros deixados.

6. De acordo com a Hermenêutica, o que somos recomendados a fazer ao estudarmos a Palavra? Que importante revelação Jesus deixou-nos?

Embora os teólogos sejam unânimes em dizer que não se pode isolar um verso do contexto e força-lo a dizer outra coisa, esta prática é muito comum. O capítulo 14 de João, é um exemplo usado e mal interpretado. Na frase que diz “...Na casa de Meu Pai há muitas moradas; vou preparar-vos lugar...” ignorem que todo o contexto, desde o final do capítulo 13, trata de uma separação e da tristeza dos discípulos e não de uma ida aos Céus. Analisando fielmente Mateus 24:38-41, vamos constatar que Jesus não disse que os justos serão levados da terra. Muito pelo contrário; Ele afirmou que, como foi nos dias de Noé, será também na Sua vinda. Nos dias de Noé, quem foi levado? Quem foi levado ou destruído pelas águas do dilúvio? O justo ou o ímpio? Se nós concordarmos com Jesus, vamos entender que os ímpios é que serão levados os destruídos! Os justos ficaram!

7. Em se tratando dos salvos, dos justos, as Escrituras mencionam que estes serão retirados da terra? Quem será desarraigado daqui?

Vários textos bíblicos alertam-nos de que os ímpios serão desarraigados da Terra (SL 52:5,6; 10:16-18; 37:9,10,20,35,36,39,40) mas, os santos, aqui permanecerão (Pv. 2:21,22; SL 91:7-10). Está correto, pois nós somos os filhos do reino e o reino é nosso. Quem tem que sair daqui é o joio, que não é planta de Deus; esta tem de ser arrancada: “Ele, porém, respondendo, disse: Toda a planta que meu Pai celestial não plantou será arrancada.” (Mat. 15:13). Deus deu a Terra aos filhos dos homens e não o céu, pois este é o Seu trono (SL. 115:15,16; Mat. 5:5; At. 7:49).

8. Sabemos que da destruição advinda do Armagedom. Juízo de Deus sobre reis e nações, poucos homens restarão (Is. 24:6). O que ocorrerá aos demais?

Na parábola do trigo e do joio, este tempo foi chamado de ciefa (Mt. 13:30). É o grande momento de separar-se o joio do trigo. Os filhos do maligno, dos filhos do Reino. Este trabalho repete aos anjos do Senhor, que virão na frente e alcançarão, com as águias, os ímpios (Mat. 13:40-42,49,50; 24:28; Lc. 17:37). Estes serão colhidos, juntados, queimados e destruídos. Na sequência o trigo, os salvos ressuscitados e vivos transformados, serão juntados pelos anjos nas nuvens, para o encontro com o Senhor (Mat. 24:31; I Ts 4:17:37) e a descida sobre Jerusalém.

Conclusão: Em quem crer: Em Jesus e nas Escrituras, que provam aqui ser a habitação dos justos ou no pensamento pagão e gentio que promete o Céu de Deus aos seus adeptos? Alinhe-se à fé dos apóstolos e profetas e saia da Babilônia!